Conteúdo Latente


A eterna dicotomia entre o consciente e o inconsciente, quem vence?

Perguntas?

Ajudar

Distorção

Esses pensamentos distorcidos, essa imagem distorcida no espelho me falam que minha percepção está igualmente distorcida. Hora de distorcer a distorção e reorganizar tudo.

Coração

Meu coração hora é tempestade, hora é mansidão, hora deseja abraçar o mundo, hora deseja que o mundo o abrace.

Há quem entenda a imensidão do meu ser? Até agora acho que não. Nem sei se um dia existirá.

desentranhar:

desentranhar:

Sonata de Outono - 1978

fazia tempo que não me sentia assim

desentranhar:

desentranhar:

Sonata de Outono - 1978

fazia tempo que não me sentia assim

Ser X Estar

O que sou ou como estou? Qual a pergunta certa a ser feita? Qual a resposta a ser alcançada?

Sou alguém ou estou alguém? Algumas vezes sou, noutras estou. No transitório da vida, ser ou estar realmente interessam? Sou o que vê, estou como vê em alguns momentos, noutros sou de costume, mas estou totalmente diferente. Há quem consiga notar quando sou e quando estou? Não sei! O fato é que Estar e Ser são condições das quais não se pode fugir. Somos o que nos constitui e o que aprendemos a ser e estar nas diferentes necessidades da vida.

No momento estou, pois não sei o que sou. Mas estou tentando manter o que sou, será que isso é mesmo necessário? Por que se valoriza muito mais o SER ao ESTAR? Geralmente o Estar é muito mais genuíno que o Ser.

Tem horas que é caco de vidro
Meses que é feito um grito
Tem horas que eu nem duvido
Tem dias que eu acredito.
(Paulo Leminski)

A máscara

Eu sei que há muito pranto na existência, 
Dores que ferem corações de pedra, 
E onde a vida borbulha e o sangue medra, 
Aí existe a mágoa em sua essência. 
 

No delírio, porém, da febre ardente 
Da ventura fugaz e transitória 
O peito rompe a capa tormentória 
Para sorrindo palpitar contente. 

Assim a turba inconsciente passa, 
Muitos que esgotam do prazer a taça 
Sentem no peito a dor indefinida. 

E entre a mágoa que masc’ra eterna apouca 
A humanidade ri-se e ri-se louca 
No carnaval intérmino da vida.

Augusto dos Anjos